5 de fev de 2010

Oscilando e oxigenando as idéias pela Índia, Nepal e Emirados Árabes II

De Jaipur seguimos de ônibus para Agra. A distância não é tão grande assim (em torno de 200km), mas a viagem é bem desgastante. O micro-ônibus que viajamos era novo e considerado um dos melhores da empresa de turismo que nos atendeu, mas os nossos veículos de transporte são bem mais confortáveis.

Parar na estrada para ir ao banheiro ou lanchar nem pensar. A vida ao longo da rodovia é extremamente precária. Chega dar insegurança nos primeiros dias. Mas, logo percebemos que estamos em um lugar muito mais seguro do que as cidades brasileiras.

Chegamos a Agra ao anoitecer e fomos diretos ao Hotel. Daí, jantamos e descansamos para apreciar os passeios do dia seguinte. As atrações turísticas de lá valem a pena e pagam cada centavo da viagem. A começar pelo imponente Taj Mahal, símbolo do amor eterno, foi resumida por Ghalib, o famoso poeta urdu, como uma rejeição do amor de um homem comum para sua amada, em cuja memória não se pode construir um monumento de tal grandeza.

A primeira visão logo na entrada revela um mausoléu de mármore branco, com quatro grandes torres alinhadas (uma de cada lado) e refletidas na água que percorre os jardins ornamentais formando uma visão inigualável.

O Taj Mahal foi classificado pela UNESCO como Patrimônio da Humanidade e é tido como uma das Sete Maravilhas do Mundo Moderno. A história revela que três grandes mestres trabalharam em seus desenhos: o persa Ustad Isa, o italiano Gieronimo Veroneo e o francês Austin de Bordeaux.

A sua arquitetura é totalmente maometana. Os trabalhadores mais especializados (escultores, pedreiros, artesãos...) vieram de Bagdá, Constantinopla, entre outros centros da fé islâmica. O seu interior foi ornamentado com pedras semipreciosas e a cúpula costurada com fios de ouro. Cerca de 22.000 operários trabalharam na obra e sua construção durou 22 anos.

Há outras atrações, como o Forte de Agra construído em arenito vermelho maciço na margem do Rio Yamuna. Algumas mesquitas famosas como Moti Masjid (Mesquita Pearl) e Nagina Masjid (Mesquita Gem) ficam nos limites do Forte. Mas, precisavamos seguir viagem. Embarcamos no aeroporto mlitar de Agra (lá não há aeroporto civil) em direção a Deli.

2 comentários:

Tairine Gabriela. disse...

Olá, soube do seu blog pelo blog de uma amiga... legal!

Um dia pretendo conhecer a Índia.

Evaldo Costa disse...

Olá Tairine, que bom que você gostou do blog.
A Índia é fascinante, não perca a oportunidade de conhecê-la.
Um forte abraço,
Evaldo Costa